Gotas de Liturgia

Apresentação

De maneira clara, condensada, apresentamos neste Especial “Gotas da Liturgia” uma noção básica do rico sentido da Liturgia e dos significados dos termos litúrgicos, dos sinais usados, das vestes e objetos litúrgicos, das cores, do rito litúrgico, do Tempo Litúrgico, da oração dos Salmos. Durante 51 semanas, toda segunda-feira, traremos um pequeno texto para a reflexão de ninguém menos do que o mestre em Teologia da Liturgia no Brasil: Frei Alberto Beckhäuser.

Natural de Forquilhinha (SC), onde nasceu no dia 20 de maio de 1935, Frei Alberto vestiu o hábito franciscano nesta Província da Imaculada Conceição em 22 de dezembro de 1956. Doutorado em Teologia com especialização em Liturgia, desde 1967 acompanha de perto a grande caminhada pós-conciliar da reforma e da renovação litúrgica no Brasil, da qual se tornou um dos protagonistas. Frei Alberto continua a escrever, a dar cursos e palestras e a lecionar Liturgia em várias Escolas Teológicas, particularmente no Instituto Teológico Franciscano, em Petrópolis (RJ).

Neste primeiro texto, Frei Alberto pergunta: “Liturgia é igual a ritos?”. Segundo Frei Alberto, a liturgia “celebrada é a obra da salvação e do culto de Cristo prestado ao Pai tornada presente e atual através de sinais sensíveis e significativos da própria ação sacerdotal de Cristo. Estes sinais sensíveis e significativos da ação salvadora e do verdadeiro culto prestado por Cristo ao Pai, formam os ritos. Os ritos são, pois, a expressão significativa da obra da salvação e da glorificação da qual os que celebram participam”.

Os artigos iniciais tratam da Liturgia em geral, sua natureza, sua expressão ritual, etc. Depois, Frei Alberto escreverá sobre a Santa Missa, da abertura até o envio.

Acompanhe no menu, no lado direito, os artigos.

 

ENTREVISTA

Conheça mais do pensamento de Frei Alberto

 

LEIA OUTROS ARTIGOS QUE NÃO FAZEM PARTE DESTA SÉRIE

Participação litúrgica

Três hábitos estranhos na Celebração Eucarística 

Liturgia, obra de Deus

Comunicação litúrgica

Sagração ou ordenação episcopal?