Liturgia como celebração

Frei Alberto Beckhäuser, OFM 

O Catecismo da Igreja Católica apresenta a Liturgia como Celebração do mistério cristão, celebração do mistério pascal. Coloca, portanto, a Liturgia na dimensão da celebração. Assim, para compreendermos bem o que é a Liturgia cristã e vivê-la sempre mais intensamente, convém refletir sobre o que é celebração e os elementos que constituem uma celebração. Em consequência dessa compreensão, segue uma palavra sobre a celebração cristã, a Sagrada Liturgia.

  1. O que é celebração

Celebrar é tornar célebre. Tornar célebre é tornar famoso, conhecido, é tornar presente. O que torna uma pessoa célebre, famosa,  são as suas obras, os seus feitos. Para reconhecer a celebridade de uma pessoa, procura-se lembrar o que ela foi e o que ele fez; lembram-se, narram-se suas obras. Esta narração das obras torna a pessoa novamente presente.

  1. Os elementos de uma celebração

Tomemos como exemplo a celebração do primeiro aninho de uma criança numa festa em família. Analisemos os vários elementos da celebração.

O fato valorizado: - O primeiro elemento para a celebração ou comemoração é o fato de a criança ter nascido. Este fato deve ser um fato valorizado, caso contrário, não se celebra, mas procura-se esquecer. Este fato pode ser chamado também de páscoa, uma passagem.

A expressão significativa do fato ou o rito: – Para lembrar o fato valorizado, a comunidade reunida o expressa através de uma linguagem simbólica. É o rito. No caso do primeiro aniversário da criança, temos antes de tudo, as pessoas presentes que valorizam o fato, a vida da criança; depois, a sala, a mesa, o bolo, a velinha acesa, o canto de parabéns.

Mas fazer memória, celebrar é uma ação. Tudo preparado, a criança à mesa diante do bolo, os presentes cantam os parabéns, a criança apaga a velinha, pois ela é a luz que ilumina a todos, corta-se o bolo, partilha-se o bolo, símbolo de vida, de felicidade, de partilha, de solidariedade. É a festa da vida que veio à luz e perdura já um ano.

A intercomunhão solidária ou o mistério vivido: - O que realmente importa em toda a celebração é o invisível, o sentido que aparece por detrás da ação simbólica ou do ritual: a intercomunhão solidária, a comunhão de todos em solidariedade com a criança. Esta realidade contida e revelada através do rito simbólico da vida da criança podemos chamá-la de mistério.

Em toda celebração temos, portanto, o fato valorizado ou a páscoa-fato, e expressão significativa do fato valorizado, o rito, e a vivência do mistério ou a intercomunhão solidária.

  1. A celebração cristã

Na celebração cristã ou na Liturgia, o fato valorizado ou a páscoa-fato é o mistério pascal de Cristo, centrado na sua Paixão, Morte e Ressurreição. Em outras palavras é a Obra da Salvação em Cristo Jesus, desde o mistério da Encarnação até o seu retorno glorioso.

A expressão significativa ou o rito são as diversas celebrações da Igreja que comemoram a Páscoa de Cristo e dos cristãos, o mistério pascal, como os sacramentos, no centro a Eucaristia, o Ano Litúrgico, a Liturgia das Horas, o Domingo, a festa pascal semanal.

A intercomunhão solidária ou o mistério é aquela comunhão de amor e de vida entre Deus e o homem, que acontece na ação comemorativa da Obra da Salvação de Cristo, que assim se torna atual e presente na vida da Igreja e da humanidade. É Cristo que continua a encarnar-se, a morrer e ressuscitar-nos que nele creem e o acolhem como Senhor e Salvador da humanidade. Eis a celebração cristã, eis a liturgia, à luz do conceito de celebração.