Vida CristãFrei AlmirO Sabor da Palavra › 11/04/2017

A traição de Judas e de Pedro

Semana Santa

sabor_110417Jo 13, 21-33. 36-38

“Jesus ficou profundamente comovido e disse com toda a clareza: «Eu garanto que um de vocês vai me trair.”

A partir deste evangelho, Jesus desabafa tudo aquilo que o sufoca, antecipando a sua Paixão e a plenitude do seu amor diante dos homens. Por isso, esvaziando-se do medo põe toda confiança no Pai para concretizar a missão que lhe foi ordenada, com humildade e obediência. Por isso, o Pai O glorifica enquanto Judas caminha para as trevas.

Conforme nos narra o evangelho, podemos dizer que foi o discípulo Judas que entregou Jesus à morte mas, na verdade, Ele sofreu a Paixão
suportando o peso da cruz por causa do seu grande amor para conosco sem olhar pelas nossas ofensas e pecados; ou seja, pela sua morte surgiu a nossa reconciliação com Deus. Por amor, Jesus não abandona, não despreza, não condena nenhum dos apóstolos, mesmo tendo a clareza do que se passava no coração de cada um, mas lhes concede a proteção até o final da sua vida.

Diria que a cada dia da nossa vida nos assemelhamos ao primeiro apóstolo, quando o egoísmo, orgulho e a negligência se tornam o centro da nossa vida, nos esquecendo do próprio Cristo que é Caminho, Verdade e Vida, e ao segundo apóstolo, quando procuramos seguir Cristo na tranquilidade e na paz, sujeitos a negá-lo no momento da dor, do sofrimento, da perseguição, e de tormento, tudo isto porque o medo tomou conta de nós. Mas, abertos ao arrependimento e dispostos no amor, queremos acolher Jesus e seu Reino.

Reflexão feita pelos noviços.