Cultura franciscanaNotícias › 13/09/2017

Lançamentos da Semana

a-aguiaA águia e a galinha
Uma metáfora da condição humana

Leonardo Boff

Filósofos como Mario Sergio Cortella, Clóvis de Barros Filho e Leandro Karnal ocupam a lista dos mais vendidos com publicações de Filosofia para o leitor não especializado. Mas lá em 1997, Leonardo Boff já conquistava esse público com a obra de Filosofia “A águia e a galinha – Uma metáfora da condição humana”, chegando a lista dos mais vendidos. A obra está na 52º edição e contabiliza mais de 500 mil exemplares vendidos.

Para comemorar estes 20 anos de sucesso, a Editora Vozes traz uma edição comemorativa retrô desta histórica obra. A tiragem de 20 mil exemplares possibilitou a fixação de um preço mais acessível, R$ 19,90.

Conforme Boff explica na obra: “Existe em todas as pessoas a dimensão galinha, que é a inserção no mundo concreto e suas limitações, e a dimensão águia, que são os sonhos e a vontade de crescer.”

Nesta obra, o autor busca animar os leitores a crescerem humanamente, a fim de saberem utilizar as energias presentes tanto na águia quanto na galinha. O que se espera é uma reflexão instigante e entusiasmo na busca da identidade pessoal.

Leonardo Boff, 1938, doutorou-se em Munique em teologia sistemática. Foi professor de teologia por 22 anos no Instituo Teológico Franciscano de Petrópolis, posteriormente doutorou-se em filosofia na UERJ e foi professor de Ética, Filosofia da Religião e Ecologia Filosófica na Universidade do Rio de Janeiro. Foi professor visitante em várias universidades europeias. Foi editor religioso por muitos anos da Editora Vozes e coordenou a publicação da obra completa de C.G.Jung. É portador do prêmio Nobel alternativo da Paz de 2001 pelo Parlamento sueco. É detentor de vários títulos de doutorado honoris causa de distintas Universidades.

Nº DE PÁGINAS: 136

 

teologiaTeologia latino-americana
Raízes e ramos

Maria Clara Bingemer

As raízes históricas da Teologia latino-americana se estendem para além da era Vaticano II e suas consequências imediatas. Essas raízes estão na tradição profética dos evangelizadores e missionários dos primeiros tempos coloniais na América Latina. Eles são a fonte do tipo de compreensão social e eclesial que surgiu nos anos após o concílio – décadas de 70 e 80 – e que estão ressurgindo hoje com nova força e vigor.

As coisas mudaram radicalmente no Vaticano desde que Francisco se tornou papa. O papa latino-americano voltou novamente os olhos do mundo para a Igreja e a teologia deste continente. Neste renascimento, uma das coisas mais importantes é a nova credibilidade dada à teologia nascida na América Latina. Esse é o propósito deste livro, que teve sua origem nas Conferências Duffy, proferidas no Boston College.

Maria Clara Bingemer é professora titular do departamento de Teologia da PUC-Rio e coordenadora da Cátedra Carlo Maria Martini da mesma Universidade. Seus interesses de pesquisa nos últimos anos têm sido a questão de Deus, a mística contemporânea e a categoria de testemunho na teologia latino-americana.  Também tem trabalhado com bastante intensidade na interface entre Teologia e Literatura.  Entre seus recentes trabalhos estão: Teologia e Literatura – afinidades e segredos compartilhados (Vozes, 2015); Finitude e Mistério. Mística e literatura moderna com J. Sudario Cabral (org) (Editora PUC-Rio/Editora Mauad, 2014); Simone Weil: mística da paixão e da compaixão (EDUSC, 2014); O mistério e o mundo. Paixão por Deus em tempos de descrença(Rocco, 2013); Crônicas de cá e de lá (Subiaco, 2012); com E. Yunes Bem e Mal em Guimarães Rosa(Editora PUC-Rio / Uapê, 2009); com E. Yunes (org) Murilo, Cecilia e Drummond. 100 anos com Deus na poesia brasileira (Loyola, 2004); A argila e o espírito. Ensaios sobre ética, mística e gênero (Garamond, 2004).

Nº DE PÁGINAS: 136

 

o-sujeitoO sujeito e a máscara
Nietzsche e o problema da libertação

Gianni Vattimo

O fio condutor desta leitura de Nietzsche é o conceito de máscara. O termo não aparece na obra nietzschiana com tanta frequência como outros, mas a ele é possível remeter muitos outros conceitos, como os de ficção, ilusão, verdade que se tornou fábula, geralmente empregados para definir e discutir o problema da relação do homem com o mundo dos símbolos. A máscara é fio condutor porque é na elaboração desse problema, desde as obras da juventude, que se desenvolvem as premissas sobre as quais serão construídos os teoremas positivos essenciais da filosofia nietzschiana.

Gianni Vattimo nasceu em 1936, em Turim, Itália. Filósofo e político, é um dos expoentes do pós-modernismo europeu. Especializou-se em Heilderberg, Alemanha, é professor na Itália e em diversas universidades dos Estados Unidos. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa das Universidades de La Plata, Palermo e Madri. É autor de dezenas de obras e uma das figuras mais expressivas e atuantes no pensamento político atual. Dele também, Vozes publicou “Adeus à verdade”.

Nº DE PÁGINAS: 448

 

o-nascimentoO nascimento do purgatório

Jacques Le Goff

A crença na possibilidade de redimir certos pecados após a morte tem acompanhado os cristãos desde os primeiros séculos do cristianismo. Mas no sistema dualista do além, entre o Céu e o Inferno, não havia lugar para o cumprimento das penas purgatoriais. Foi necessário esperar até o final do século XII para o aparecimento da palavra Purgatório, para que este se tornasse um terceiro lugar do além em uma nova geografia do outro mundo.

Assim, o Purgatório se insere em uma revolução mental e social que substitui os sistemas dualistas por sistemas que introduzem a noção de um plano intermediário que torna aritmética a vida espiritual. Este Purgatório é também o triunfo do julgamento individual em novas relações entre os vivos e os mortos.

A presente pesquisa percorre as transformações do nascimento do Purgatório desde a antiguidade até a Divina Comédia de Dante. De fato, seu nascimento é um dos principais episódios da história espiritual e social do Ocidente.

Jacques Le Goff, reconhecido mundialmente como um dos maiores historiadores atuais, especialista em História Européia e Idade Média, herdeiro da Escola  dos Anais, é diretor-honorário na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, em Paris. É autor de mais de vinte obras historiográficas, dentre elas, tem publicado pela Editora Vozes, As raízes medievais da Europa (2007), Uma breve história da Europa (2008); Heróis e maravilhas da Idade Média (2009);Para uma outra Idade Média (2013) e A Civilização do Ocidente Medieval (2016).

Nº DE PÁGINAS: 576

 

mindsMindsets
Altere suas percepções, crie novas perspectivas e mude seu modo de pensar

Mike George

Por que tão poucas pessoas mudam de verdade e profundamente, mesmo quando querem?

Por que quase todas as técnicas e os métodos que prometem “liberar seu potencial” e “transformar sua vida” raramente funcionam?

Por que tantas pessoas aprendem tantas maneiras de relaxar, mas ainda sofrem de estresse?

Porque elas não alteram a sua MENTALIDADE!

Somente uma MENTALIDADE nova ou diferente pode mudar permanentemente sua maneira de pensar, sentir, decidir e criar sua vida. E isso só pode acontecer de dentro para fora!

Significa desafiar algumas de suas próprias crenças profundamente arraigadas, romper antigas ilusões e ir em busca das verdades que já existem dentro de você.

A proposta dessa obra é ajudar o leitor a alcançar uma nova forma de ver o mundo e reconfigurar a dinâmica mental que rege suas ações e determina a forma como vive.

Segundo o autor, só você pode decidir sobre sua própria vida! E quando faz isso naturalmente, tudo muda!

Mike George “interpreta” uma série de papéis, incluindo o de autor, de professor espiritual, coach, orientador de gestão, mentor e facilitador. Ele reúne as três vertentes-chave do século 21: inteligência emocional/espiritual, desenvolvimento de liderança e “desaprendizagem contínua”.

Nº DE PÁGINAS: 192

 

manual-de-pequisaManual de pesquisa qualitativa
A contribuição da teoria da argumentação

Mario Cardano

Este livro tem como objetivo fornecer um guia para a criação de uma pesquisa qualitativa que combina rigor e criatividade. O autor apresenta um mapa das técnicas de pesquisa qualitativa delineada considerando principalmente as peculiaridades epistêmicas de cada uma, e prossegue com a ilustração das características do desenho da pesquisa qualitativa, delimitando, em um quadro de referência, os mais recentes estudos desenvolvidos sobre a teoria da argumentação e da lógica informal. Por essa razão, a principal peculiaridade do livro reside em sua referência à teoria da argumentação e na dedicação do autor em utilizar um repertório significativo de pesquisas mencionadas a título de exemplo. O livro é dirigido a todos os alunos (de graduação e pós-graduação), professores, pesquisadores e estudiosos das Ciências Sociais, Ciências da Saúde e da Enfermagem, e epidemiologistas sociais que se proponham a realizar a pesquisa qualitativa ou que desejam ler monografias e ensaios desenvolvidos com recurso das técnicas da pesquisa qualitativa.

Mario Cardano, Doutor em Sociologia, é Professor do Departamento de Cultura, Política e Sociedade da Universidade de Turim, na Itália, onde ensina Métodos Qualitativos de Pesquisa Social e Sociologia da Saúde. É também Diretor do programa de Doutorado Interunidades desenvolvido pelas universidades de Turim-Milão em Sociologia e Metodologia da Pesquisa Social, onde ministra um curso de Projeto de Pesquisa Qualitativa. É Membro do Conselho de Administração da Revista “Rassegna Italiana di Sociologia”.

Nº DE PÁGINAS: 376

 

jogos-e-brincadeirasJogos e brincadeiras
Ações lúdicas nas escolas, ruas, hotéis, festas, parques e em família

Tiago Aquino da Costa e Silva e Alipio Rodrigues Pines Junior

Este livro nasceu com o objetivo de despertar e disseminar a importância da prática, vivências e experiências do brincar e do jogar na vida das pessoas – de crianças a idosos. É por meio dessas ações que as pessoas ampliam seus conhecimentos, desenvolvem as múltiplas linguagens, organizam seus pensamentos, descobrem e agem sobre as regras, assumem papel social e se preparam para uma vida responsável, criativa e autônoma.

A primeira edição, lançada em 2013, teve sua tiragem esgotada rapidamente. E agora apresenta-se ao leitor em nova edição.

Tiago Aquino da Costa e Silva (Paçoca) é graduado em Educação Física – FMU. Membro do Laboratório de Estudos do Lazer (LEL/DEF/IB/UNESP Rio Claro – SP). Memberofthe World LeisureOrganization. Coordenador da Pós-Graduação em Lazer e Recreação FMU e USCS. Autor de 20 livros, como “Manual de Lazer e Recreação” Phorte Editora; “Olhares sobre o Corpo – Educação Física Escolar” All Print Editora; “Bora Brincar: um convite a brincadeira” LAB/BRINCAR. Diretor da Kids Move Consultoria, Educação ao Cubo e Entretenimento SP. Palestrante Internacional. Diretor da Página Brincadeiras e Jogos. Contato www.professorpacoca.com.br        

Alipio Rodrigues Pines Junior é graduado em Lazer e Turismo (EACH-USP) e em Educação Física (UNIBAN). Especialista em Organização de Eventos Esportivos (Faculdade Pitágoras). Mestre em Ciências da Atividade Física (EACH-USP) com bolsa CAPES/Demanda Social. Membro do Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer (GIEL/USP/CNPq). Membro da Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural (RIA) – Nodo Brasil. Coordenador da Pós-Graduação em Lazer e Recreação FMU e USCS. Diretor da Entretenimento SP. Coautor de livros sobre Educação e Educação Física.  Contato alipio.rodrigues@gmail.com

Nº DE PÁGINAS: 176

 

dicionarioDicionário de Teologia Fundamental

Este dicionário tem por base o binômio revelação-fé. Em torno deste eixo giram os 223 verbetes que o compõem. A estrutura do Dicionário foi pensada de modo a propor, a quem o desejar, um estudo sistemático de todos os temas da Teologia Fundamental: os princípios básicos e suas implicações.

Em sua concepção inicial, esta obra procurou definir, antes de tudo, as grandes linhas do Dicionário e, em seguida, determinar os verbetes a serem tratados, levando em conta uma série de critérios.

Mesmo tendo sido composto há algumas décadas, permanece muitíssimo atual, justamente pela forma abrangente utilizada em sua organização. Sendo um dicionário, não contém tratados teológicos sistemáticos, mas cada temática é apresentada com uma grande abrangência. Além disso, ao final de cada verbete há indicações bibliográficas para aprofundamento.

Nº DE PÁGINAS: 912

 

conhecer-a-feConhecer a FÉ que professamos

Pe. Thiago Faccini Paro

Conhecer a FÉ que professamos é um livro escrito para todo cristão que quer conhecer um pouco mais da fé professada pela Igreja Católica Apostólica Romana.  Em poucas páginas e com uma linguagem acessível a todos o livro busca, através da interpretação de textos bíblicos e de histórias preservadas pela tradição da Igreja, apresentar temas fundamentais e essenciais para a vivência da fé cristã.

A criação do mundo, o tempo e espaço, a escolha e o chamado dos discípulos missionários, o mistério da fé celebrado pela liturgia dentre outros, são temas abordados no livro que irá surpreender e encantar todo aquele que ler, estimulando ao aprofundamento e conhecimento da história e riqueza da fé professada pela Igreja Católica.

É desejo do autor, que ao conhecer um pouco mais da fé que professamos, nos tornemos verdadeiros seguidores e testemunhas de Jesus Cristo em sua Igreja, e possamos transmitir com autenticidade e coragem a FÉ que professamos.

Nº DE PÁGINAS: 80

 

byumgAgonia do Eros

Byung-Chul Han

O Eros se aplica, em sentido enfático, ao outro, que não pode ser abarcado pelo regime do eu. No inferno do igual, que iguala cada vez mais a sociedade atual, não mais nos encontramos, portanto, com a experiência erótica, que pressupõe a transcendência, a radical singularidade do outro. O terror da imanência, que transforma tudo em objeto de consumo, destrói a cupidez erótica. O outro que eu desejo e que me fascina é sem-lugar; ele se retrai à linguagem do igual. O desaparecimento do outro é um sinal da sociedade que vai se tornando cada vez mais narcisista; a sociedade, esgotada a partir de si, não consegue se libertar para o outro. É uma sociedade sem eros.

Byung-Chul Han nasceu na Coreia, mas fixou-se na Alemanha, onde estudou Filosofia na Universidade de Friburgo e Literatura Alemã e Teologia na Universidade de Munique. Em 1994, doutorou-se em Friburgo com uma tese sobre Martin Heidegger. É professor de Filosofia e Estudos Culturais na Universidade de Berlim e autor de inúmeros livros sobre a sociedade atual, dentre as quais Sociedade do Cansaço, Sociedade da transparência e Topologia da Violência publicados pela Editora Vozes.

Nº DE PÁGINAS: 96