Vida CristãFrei AlmirO Sabor da Palavra › 02/10/2017

Jesus e as crianças

Tempo Comum

sabor_021017Mt 18, 1-5.10

“Se vocês não se converterem, e não se tornarem como crianças, vocês nunca entrarão no Reino do Céu”

Questionado sobre quem é o maior no Reino dos Céus, Jesus novamente surpreende ao afirmar que aquele que deseja ser maior diante de Deus, deve fazer-se como uma criança.

Neste comparativo, Jesus ensina que para adentrar seu Reino, não é necessário ser “grande” aos olhos do mundo, como um ambicioso empresário, uma figura pública de renome, ou alguém de família nobre. Pelo contrário, afirma que o Senhor prefere os “pequenos”. Portanto, Deus volta seu olhar aos vulneráveis e indefesos que, como criancinhas, necessitam de cuidado e atenção, os que por sua condição são tidos como irrelevantes e impotentes.

São os excluídos de nossos dias. Pessoas às quais foram negadas oportunidades, que foram deixadas à margem da sociedade, os “subprodutos”, as “sobras” dum sistema frio e excludente. Neste contexto, estão os pobres, os imigrantes e refugiados, os menores abandonados, idosos, deficientes, enfim, todos aqueles que se encontram perseguidos, humilhados ou feridos em sua dignidade.

“Quem recebe um destes em meu nome, é a mim que recebe. Não desprezeis nenhum desses pequeninos…” (Mt 18,5,10a). Com esta admoestação, Jesus explica que o próprio Deus faz-se presente no rosto destes menos favorecidos e que estes herdarão os céus. Portanto, se desejamos um dia estar com Ele em sua glória, muito mais que acolhê-las, que sejamos também nós como estas “criancinhas”, simples, puras, verdadeiras, que em tudo dependem e por isso confiam plenamente em nosso Pai que está nos céus.

Reflexão feita pelos noviços.