Cultura franciscanaNotícias › 09/10/2017

Frei Clarêncio lança livro sobre os 50 anos do Santuário

vilavelha_091017

Desde a festa de São Francisco de 2016 até a festa de São Francisco de 2017, a Comunidade do Santuário do Divino Espírito Santo em Vila Velha celebrou de diferentes maneiras os 50 anos de inauguração do templo, em abril de 1967.

clarencio_091017Agora, Frei Clarêncio Neotti lança um livro com a história do Santuário, desde a compra do terreno, passando por sua construção e diferentes restauros. Baseado no livro de Tombo, na Crônica da Casa e no depoimento de muitos paroquianos que participaram em primeira pessoa da construção, Frei Clarêncio conseguiu montar a história da que hoje é a mais espaçosa igreja do Estado do Espírito Santo. “Embora concebido antes, o Santuário nasceu durante o Concílio Vaticano II (outubro de 1962 a dezembro de 1965) e foi inaugurado um ano e quase quatro meses depois de terminada a magna assembleia mundial no Vaticano”, explica Frei Clarêncio.

Não é a história da comunidade que se desenvolveu no Santuário, mas a história do Santuário como construção, em estilo basilical moderno; o edifício que serve de sede funcional da paróquia do Rosário, criada em 1562, desmembrada da
paróquia de Salvador da Bahia.

Frei Clarêncio conseguiu fazer o elenco completo de todos os Franciscanos que trabalharam no Santuário como párocos ou coadjutores e o período exato em que atuaram.

O livro, de 150 páginas, é uma coedição do Santuário e do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha. Foi lançado em outubro, ao mesmo tempo em que uma das naves do Santuário mostrava uma exposição de fotografias da
construção e do uso do Santuário. O título “Santuário” foi dado pelo povo, em contrabalanço a “Convento” que é o conjunto da Penha.

Segundo Luiz Paulo Rangel, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha, o edifício do Santuário foi durante muito tempo um marco das grandes obras de arquitetura do Estado, juntamente com obras mais antigas, tais como o Convento da Penha, o Palácio Anchieta e o Colégio do Carmo, e com as contemporâneas a ele: o Colégio Marista e o Colégio Salesiano.