Vida CristãFrei AlmirO Sabor da Palavra › 30/12/2017

As muitas Anas de nossas comunidades

Oitava do Natal

sabor_301217Lc 2,36-40


“Nunca deixava o Templo, servindo a Deus noite e dia, com jejuns e orações”


Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, idosa de 84 nos, viúva, não saía do Templo, dia e noite, servindo a Deus com jejuns e orações. Quando viu a Sagrada Família que vinha chegando, louvou a Deus e falou a todos do menino Jesus. O menino vai crescer, vai se desenvolver cheio de sabedoria e de graça. Alegrem-se os céus e exulte a terra por todas as Anas que cuidam da casa do Senhor, mantêm vivo o culto divino, rezam, cantam e visitam os doentes. Em Ana, vemos as senhoras dedicadas do Apostolado da Oração, associação que não se desfez ao longo dos tempos e que se mantém viva em nossas comunidades. Ana se multiplica. São mães e avós, até bisavós, que sabem cuidar dos outros sem se cansar.

A história bíblica se atualiza no respeito que temos pelos mais velhos e no cuidado com os mais novos. A agitação das crianças alegra a casa, a sabedoria dos mais velhos dá a todos equilíbrio. É a família, com sua beleza e seu valor de núcleo fundamental da Igreja e da sociedade. Veneramos as imagens dos santos e veneramos os santos vivos que estão entre nós, todos atentos às crianças que, como o menino Jesus, crescem e ficam fortes.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas.