Vida CristãFrei AlmirO Sabor da Palavra › 15/01/2018

Os discípulos de João e os fariseus

Tempo Comum

sabor_150118Mc 2,18-22


“Vinho novo deve ser colocado em barris novos” (Mc 2, 22)


Este Evangelho aponta um itinerário que envolve a conversão e a renúncia. O evangelista Marcos indica os elementos deste itinerário espiritual: a oração e o jejum e a esmola (cf. Mt 6,1-6-18). Os três elementos comportam a necessidade de não nos deixarmos dominar pela aparência. O que conta não é aparência; o valor da vida não depende da aprovação dos outros ou do sucesso, mas daquilo que temos dentro de nós.

Primeiro elementos é a oração. A oração é a força do cristão e cada pessoa crente. Na debilidade e na fragilidade de nossa vida, podemos recorrer a Deus com confiança filial e entrar em comunhão com ele.

Segundo elemento qualificador do caminho da quaresma é o jejum. Urge uma atenção especial para não praticarmos o jejum formal, ou que na verdade nos “sacia” porque nos traz a sensação de sermos pessoas do bem. O jejum só tem sentido se incide verdadeiramente sobre a nossa segurança, mas também, se beneficiar o nosso próximo, nos ajudando a cultivar o estilo do bom samaritano, que se inclina sobre o irmão em dificuldade e cuida dele.

Em conclusão, jejuar nos ajuda a treinar o coração para que a esmola nos ajude a viver a gratuidade do dom de Deus que é uma das características do cristão de se doar aos outros sem esperar receber em troca.

Reflexão feita pelos noviços.