Vida CristãNotícias › 10/01/2018

Missa marcará os 77 anos de nascimento de Maria Amida Kammers

amida_100118G

No domingo,14 de janeiro, às 10h, será celebrada uma missa em ação de graças pelos 77 anos do nascimento de Maria Amida Kammers, na igreja São Bonifácio, na localidade de Taquaras, em Rancho Queimado (SC), sob a presidência do Pe. Bertolomeu Gorges. Com esta celebração, seus devotos continuam a divulgação da história e da propagação da devoção à jovem Maria Amida Kammers.

Um pouco de história

Descendente de imigrantes luxemburgueses, Maria Amida nasceu em Santa Filomena, no município catarinense de São Pedro de Alcântara em 14 de janeiro de 1941, filha de Bruno Kammers e de Maria Rengel. E naquele mesmo dia foi batizada na Igreja Matriz de São Pedro de Alcântara (SC), pelo  Pe. Roberto Pereira Machado, sendo padrinhos Leopoldo Kammers e Marta Rengel.

Em busca de melhores condições de vida, em janeiro de 1944 a família de Maria Amida migra de Santa Filomena para Rio Acima, localidade contígua à de Taquaras, em Rancho Queimado (SC). Lá adquire um terreno e passa a trabalhar na agricultura. Em Rio Acima/Taquaras, Maria Amida frequenta os bancos escolares, faz sua Primeira Comunhão e passa o restante de sua infância. As 16 anos, em busca de trabalho e de possibilidades de continuar a estudar, passa a residir em Santo Amaro da Imperatriz, junto a uma família à qual seus pais tinham sólida amizade. Nesta cidade se inscreve e participa assiduamente do processo formativo da Pia União das Filhas de Maria, na respectiva Igreja Matriz. Após passar um período como aspirante, Maria Amida é admitida oficialmente na Pia União das Filhas de Maria, no dia 11 de dezembro de 1960. À época, às Filhas de Maria eram coordenadas pelo seu Diretor, Frei Fidêncio Feldmann, OFM (20.02.1909-20.11.1993); Presidente, a Sra. Anadir Derner; e a Mestra de Aspirantes era a Irmã Antonida Zimmermann (03.06.1907 – 16.05.1985). A Pia União das Filhas de Maria, na Igreja Matriz da Paróquia Santo Amaro, foi fundada em 21 de janeiro de 1906 e agregada à Primária de Roma, no dia 13 de junho de 1908.

Quase um ano após a admissão às Filhas de Maria, em 25 de novembro de 1961, aos 20 anos e dez meses de idade, na calada da noite, em seu quarto de dormir, Maria Amida é barbaramente assassinada por defender sua castidade. A casa onde reside e o quarto onde dorme é invadido e Maria Amida perde sua vida. É morta por não ceder aos desejos sexuais de seu(s) agressor(es) e, sobretudo, porque teria optado por defender com a vida, se preciso fosse, sua pureza virginal. Obstruída sua garganta com um pano para que não chamasse por socorro, uma machadinha é utilizada como arma, resultando no esfacelamento de seu crânio, ou seja, conforme consta em sua certidão de óbito, “fratura múltipla do osso frontal”. No dia seguinte, após a realização de velório na residência de seus pais, o sepultamento é acompanhado por uma verdadeira multidão e em meio à consternação geral; todos queriam dar-lhe adeus e manifestar condolências à família enlutada. Seu corpo foi sepultado no Cemitério da Igreja dedicada a São Bonifácio, em Taquaras. Sobre o crime há muito ainda a ser esclarecido. Uma intrigante história manchada com sangue e marcada pela fidelidade a Deus.

Considerada desde então “Mártir da Castidade”, décadas mais tarde, são muitas as pessoas que afirmam ter recebido graças e favores por intercessão de Maria Amida e que reconhecem a autenticidade de seu martírio. Desde aquele fatídico dia, sua memória permanece viva no coração de seus devotos. Atualmente, seu túmulo está repleto de placas agradecendo as graças alcançadas. Assim como Santa Maria Goretti, Maria Amida representa para seus devotos um exemplo de jovem virtuosa que abraçou a morte a fim de não ter sua pureza maculada. O atual Arcebispo Metropolitano de Florianópolis (SC), Dom ‎Wilson Tadeu Jönck, aprovou recentemente oração oficial pedindo graças por sua intercessão.

Toni Jochem, especial para este site

Veja mais: Fiéis prestam homenagem a Maria Amida Kammers