Emoção no início do ministério presbiteral de Frei Gilberto

Frei Diego Melo

Jacarezinho (PR) – O povo que lotou a Catedral da Igreja da Imaculada Conceição, em Jacarezinho-PR, na manhã chuvosa do 4º Domingo da Páscoa (Domingo do Bom Pastor), viveu momentos de muita emoção e ternura. Frei Gilberto, ladeado por inúmeros confrades, presidiu a sua primeira missa com leveza e solenidade. Logo no início, foi trazido até o altar por duas crianças trajadas de Francisco e Clara, ao som de “Lá vai São Francisco”, de Vinícius de Moraes. Comovente…

Chegando ao altar, foi revestido com a casula e a estola pelos 23 seminaristas do Seminário São Francisco de Ituporanga, SC, local onde Frei Gilberto atualmente exerce seu ministério franciscano. Os jovens ajudaram o neosacerdote a se vestir e receberam, um a um, o abraço de seu orientador, acompanhado de um pequeno Tal, lembrança preciosa daquele singelo momento.

Após a proclamação do Evangelho, Frei Renato Pezenti, companheiro de fraternidade de Frei Gilberto, em Ituporanga, proferiu sua homilia, lembrando a todos as características que deveriam marcar a atuação do sacerdote, tendo como inspiração a liturgia do IV Domingo do Tempo Pascal, que trazia a bela figura do Bom Pastor. Frei Renato Pezenti destacou que o ministério do seu confrade neosacerdote deveria ser marcado pelo serviço e pela doação radical, a exemplo do Bom Pastor que dá a vida pelas suas ovelhas. Lembrou também que, como pastor, Frei Gilberto deveria conduzir as ovelhas pela porta, que é o Cristo, e que jamais deveria fazer aliança com o lobo, pois a essência da sua vida tinha de ser a defesa da vida daqueles que lhe foram confiados. “Aprenda com as ovelhas, especialmente com os pobres, eles são nossos mestres. Só aí você vai conhecer a porta por onde as ovelhas devem entrar”, exortou o pregador.

Celebrando também o Dia de Oração pelas vocações, Frei Gilberto, no momento do ofertório, entregou algumas sementes para Frei Pedro da Silva e Frei Diego Melo, que estão a serviço da Animação Vocacional, lembrando a necessidade de se continuar semeando e cuidando das vocações que o Senhor desperta nos corações dos jovens. Rezou ainda a oração pelas vocações. Em seguida, ladeado pelos diáconos Frei Wilson Simão (seu colega de turma) e Rodolfo, consagrou pela primeira vez as espécies do vinho e do pão, o verdadeiro alimento que sacia a fome de eternidade e plenitude.

Após a oração pós-comunhão, o povo de Jacarezinho e seus familiares não pouparam esforços para demonstrar a alegria e satisfação por estarem fazendo parte desse momento tão sagrado na vida de todos. Iniciando as homenagens com uma simples e singela homenagem, as crianças da Catedral deram o seu recado franciscano a todos ensinando, com a figura do “Frei Simplito” que aquilo que verdadeiramente agrada a Deus são as coisas feitas de coração e com simplicidade. Edificante…

Em seguida, um carteiro, entrando pelo corredor central da igreja, entregou uma carta a Frei Gilberto, que foi lida por um familiar. A carta era datada de agosto de 2003, quando Frei Gilberto, então noviço, escrevera para seus familiares partilhando sua primeira grande experiência como religioso franciscano, durante o seu noviciado, quando Frei Gilberto assumiu o ofício de cabeleireiro da turma, momento esse marcado pela forte emoção e lágrimas de muitos. Ao final sua mãe, Dona Lourdes, trouxe a Imagem de Nossa Senhora da Conceição, diante da qual, de joelhos, Frei Gilberto pediu por si e por todo o seu povo. A mesa da Eucaristia se estendeu na mesa do excelente almoço oferecido por aquela comunidade de fé e pela família de Frei Gilberto. Tudo de primeiríssima qualidade. Deus, generosidade por excelência, certamente revelou sua face de Pai Amoroso em todos os momentos vividos em torno na vida e da vocação de nosso querido irmão Frei Gilberto. Muito, muito obrigado!