Serenidade e simplicidade marcam as Primícias de Frei Wilson

“Permanecei em mim e eu permanecerei em Vós”
(Jo 15,4)

Londrina (PR) – O primeiro domingo de maio (06/05), em Londrina, amanheceu com um céu límpido, azul celestial. Lentamente, os raios do irmão sol tocaram a Igreja São Tiago Apóstolo, que, regida pelas vozes do Povo de Deus, foi agraciada pelas primícias de Frei Wilson Simão em seu ministério sacerdotal. Confiante plenamente no Senhor, assim como atesta seu lema de ordenação, Frei Wilson celebrou a sua primeira Missa.

O grupo de adolescentes Alpha animou a celebração, com simplicidade, do jeito bem franciscano. Novamente com a igreja repleta, a celebração contou com a presença de pessoas de várias partes por onde Frei Wilson passou. O vigário provincial Frei Estêvão Ottenbreit, o Definidor e Ecônomo Frei Mario Tagliari, juntamente com os confrades, marcam presença nesta festa pascal do Senhor.

Frei Wilson Simão, sereno e franciscanamente, presidiu a Eucaristia pela primeira vez. Acolheu a todos e de modo especial a sua mãe, Maria Serrano Simão, que neste domingo completou mais um ano de vida. Aos 74 anos, dona Maria, com lágrimas de alegria, firme e forte, foi testemunha de uma semente plantada, germinada e que deu e dará muitos frutos: o seu filho, o mais novo presbítero da Província da Imaculada.

Como de costume, entre os franciscanos, a homilia da primeira missa é confiada pelo neo-ordenado a um confrade escolhido por ele. Frei Wilson escolheu para pregar Frei Raimundo J. de Oliveira Castro, o qual teve um papel importante na vida dele. Frei Raimundo fez sua homilia a partir do tema de ordenação e, olhando nos olhos de Frei Wilson, afirmou: “Frei Wilson, faça de sua vida franciscana e, agora neste ministério ordenado, uma total entrega a Deus”.

Após um fraternal e forte abraço, Frei Wilson agradeceu ao confrade por toda ajuda recebida e as belíssimas palavras na homilia.  Em seguida, apresentou as preces da comunidade e a sua prece pelo natalício de sua mãe. Como de costume, nesta comunidade de fé, as pessoas saem de seus bancos e apresentam diante do altar a sua vida. Após apresentação das oferendas, com o coração exultante de alegria, consagrou pela primeira vez as espécies do vinho e do pão, trazendo assim o Cristo vivo e ressuscitado para alimentar o povo de Deus.

Qual não foi a emoção do sr. Antônio Realim Simão e dona Maria Serrano Simão, seus pais, ao receber o primeiro corpo e sangue consagrado pelo seu filho.

Após comunhão, com os olhos saltitantes de emoção, Frei Wilson convidou todos os casais do JUCA SAN de sua época e os abençoou.  Hoje, grande parte dos membros está casada: “Nós não éramos somente amigos, éramos irmãos. Foi deste grupo que sai e espero que dos muitos filhos deles possa surgir alguém para a vida religiosa ou sacerdotal”. O mesmo grupo, aproveitando o momento de homenagens ao fiel irmão, entregou-lhe uma sandália como símbolo daquele que caminha com os pobres.

Logo após esta homenagem foi a vez da família, na pessoa de sua sobrinha Daniela. “Tio, nós sabemos que não foi fácil você chegar até aqui. Sabemos que muitas vezes ligaste para nós confessando o desejo de voltar para casa. Saiba que, de agora em diante, não será fácil também. Só te pedimos uma coisa: faça o necessário que de repente você fará o impossível. Obrigado pelo seu SIM”, disse Daniela em nome da família Simão e Silva Pereira.

Por último os aspirantes franciscanos, Adriano, Abraão e Müler, fizeram também sua homenagem. Estes três jovens fazem neste primeiro semestre a experiência de FAV (Fraternidade de Acolhimento Vocacional) na fraternidade Santo Antônio do Pari (SP), cuja tutela foi confiada ao Frei Wilson. O aspirante Adriano, em nome dos outros dois, agradeceu imensamente o “sim” de Frei Wilson e, mesmo não o conhecendo muito entre tantas virtudes, elencou a simplicidade e amizade dele. “Obrigado, Frei Wilson, por nos ensinar a caminhar”, disse o aspirante Adriano.

Frei Wilson, sem mais delongas, voltou-se para o grupo Alpha, que completou neste dia cinco anos de existência e assegurou  a ele que é necessário caminhar, ter força e, mais do que ser um grupo, que possa reunir amigos e irmãos. “A vida se dá na caminhada do dia a dia”, afirmou o neo-presbítero. Voltando-se para a assembleia, agradeceu profundamente a Paróquia São Tiago Apóstolo pela abertura e colaboração nestes dias. A pastoral familiar que acolheu em suas casas e os frades nestes dias de missão. A todo o povo presente, aos amigos de perto e de longe. Na pessoa de Frei Estêvão agradeceu a Ordem dos Frades Menores, a Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil e a todos os confrades. Também agradeceu a fraternidade a qual pertence pelo apoio e carinho, bem como ao Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras). E, de modo particular, à sua família que o acompanhou até aqui.

Emocionado, dirigiu-se à sua mãe dona Maria Serrano Simão, da qual muito aprendeu, e agradecendo a Deus pelos seus 74 anos de vida, deu-lhe a bênção.

“Meus irmãos e irmãs, peço que rezem para que eu possa ser sempre um frade menor e possa deixar-me conduzir pelo Senhor e, assim, poder ver no rosto dos pobres a face de Cristo”, pediu Frei Wilson antes de dar a bênção final.

Veja imagens