A “Oração pela Paz” atribuída a São Francisco

Frei Adelino G. Pilonetto, OFM Cap

Quem não conhece a oração que principia com as palavras: Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz? E quem não a aprecia também? Conhecida como Oração pela Paz, Oração do Amor, Oração simples ou, ainda, Oração de São Francisco, ela tem um sabor todo ecumênico e expressa conteúdos de tanta sinceridade e beleza que encontra ressonância obrigatória no coração das pessoas. “Seus conteúdos correspondem às aspirações íntimas dos melhores cristãos de nosso tempo” (1) . Nós gostamos de rezá-la e, certamente, Francisco aprecia que a rezemos. Entretanto, a mencionada oração não é de São Francisco, é apenas atribuída a ele.

Nem se trata de uma oração tão antiga, embora sejam antigas as suas raízes. Foi certamente atraídos por sua simplicidade, pertinência e beleza que os franciscanos se afeiçoaram a ela e, inadvertidamente, a adotaram como própria. Por razões semelhantes, ela foi atribuída a São Francisco de Assis. Quanto ao modo como isso aconteceu, é o que veremos a seguir, adiantando, porém, que não é grande coisa o que sabemos a respeito desse apócrifo, tão célebre quanto misterioso (2).

1. Como surgiu essa oração
Parece que surgiu pouco antes da Primeira Guerra Mundial. Suas origens são obscuras, seu autor é desconhecido, e parece que poucos lhe deram importância logo ao aparecer. “A Oração da Paz apareceu pela primeira vez em 1913 numa pequena revista local da Normandia, na França. Vinha sem referência de autor, transcrita de uma outra revista tão insignificante, que nem deixou sinal na história, pois não foi encontrada em nenhum arquivo da França” (3).

A Oração pela paz, entretanto, ganhou notoriedade depois que foi publicada no Osservatore Romano, em 20 de janeiro de 1916 e, alguns dias depois, em 28 de janeiro do mesmo ano, no conhecido diário católico francês La Croix. Em 1917, foi divulgada com um título chamativo: “Oração para uso dos que querem colaborar na preparação de um mundo melhor” (4).

Quem a enviou ao Papa Bento XV, juntamente com outras orações pela paz, foi o Marquês de la Rochetulon, fundador do semanário católico Souvenir Normand. Nessa época, em toda parte faziam-se orações instantes pela paz, uma vez que a Europa inteira debatia-se com os fantasmas medonhos da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Pelos termos de agradecimento que o Cardeal Gasparri enviou, em nome do Papa, ao Marquês de Ia Rochetulon, soube-se que aquelas orações, inclusive a que seria depois atribuída a São Francisco, eram todas dirigidas ao Sagrado Coração de Jesus, uma devoção que vinha se expandindo com muito fervor desde o final do século XIX e com a qual “se pretendia resgatar uma dimensão esquecida no cristianismo tradicional: a riqueza da santa humanidade de Jesus, de seu amor incondicional, de sua misericórdia, de seu enternecimento para com todos, especialmente para com os pobres e os pecadores, as crianças e as mulheres”. (5 )

A partir desse contexto, a Oração pela Paz ganhou asas e correu mundo, recebendo acolhida entusiasta de cristãos e mesmo de seguidores de outras religiões, que nela encontravam a expressão inspirada de ancestrais desejos de união e de paz.

2. Como foi atribuída a São Francisco
Temos algumas pistas que indicam como foi que essa oração anônima chegou a encontrar em São Francisco de Assis um pai adotivo e suposto autor. Não se trata de falsificação fraudulenta e sim de uma casualidade histórica, que, entretanto, contribuiu para tornar manifesta uma notável afinidade existente entre a Oração pela Paz e a espiritualidade franciscana.

Um primeiro passo se deu em torno de 1913, quando a oração foi estampada no verso de um pôster devocional que trazia a figura de São Francisco de Assis. O texto tinha simplesmente como título: “Oração pela Paz”. Tempos depois, por volta de 1936, um pôster semelhante foi publicado em Londres com a mesma oração, traduzida em inglês, no verso. Desta vez, porém, ela foi atribuída diretamente ao santo representado na gravura, e recebeu como título: “Uma Oração de São Francisco”. Com isto firmou ainda mais sua popularidade. Outro passo foi quando o senador americano Tom Connally leu a oração, atribuída a São Francisco, na Conferência da ONU, em 1945. Note-se que em todas as outras edições anteriores, o texto é anônimo, mesmo em revistas franciscanas, inclusive no ano do VII Centenário de São Francisco, em 1926. (6)

Leonardo Boff conta um episódio semelhante, ocorrido pouco depois da publicação da Oração pela Paz em Roma. Um franciscano que visitava a Ordem Terceira Secular de Reims, na França, mandou imprimir um cartão tendo de um lado a figura de São Francisco com a regra da Ordem Franciscana Secular na mão e, do outro, a Oração pela Paz com a indicação da fonte: Souvenir Normand. No final, uma pequena frase dizia: “essa oração resume os ideais franciscanos e, ao mesmo tempo, representa uma resposta às urgências de nosso tempo”. Essa pequena frase, comenta L. Boff, permitiu que a oração deixasse de ser apenas Oração pela Paz para ser também conhecida como Oração de São Francisco, ou Oração da Paz de São Francisco de Assis. “Assim, essa oração passou a ser, simultaneamente, um resumo da devoção ao Sagrado Coração de Jesus e da espiritualidade franciscana” (7).

Pois há um parentesco entre a Oração pela Paz e a espiritualidade franciscana, permitindo que uma se reconheça no espelho da outra. Talvez, L. Boff exagere na fundamentação desse parentesco:

“Existe uma espiritualidade franciscana difusa no espírito de nosso tempo, nascida da experiência de Francisco, de Clara e de seus companheiros [ … ). A Oração pela Paz, também chamada Oração de São Francisco, constitui uma das cristalizações desta espiritualidade difusa. Ela não provém diretamente da pena do Francisco histórico, mas da espiritualidade do São Francisco da fé. Ele é seu pai espiritual e por isso seu autor no sentido mais profundo e abrangente da palavra. Sem ele, com certeza, essa Oração pela Paz jamais teria sido formulada nem divulgada e muito menos teria se imposto como uma das orações mais ecumênicas hoje existentes. Ela é rezada pelos fiéis de todos os credos e por professantes de todos os caminhos espirituais” (8).

3. O conteúdo dessa oração
Além do alto teor evangélico da oração, os estudiosos identificam nela ressonâncias de temas clássicos da espiritualidade medieval, especialmente agostiniana, haja vista, as obras de misericórdia espiritual, o esquema do combate aos vícios e as virtudes. As expressões repetitivas lembram João Fécamp, um autor muito próximo da literatura franciscana dos primórdios. A segunda parte da oração apresenta semelhanças de estilo com os ditos de Frei Egídio, companheiro de São Francisco (9), e com a Admoestação 27 do próprio Santo. Esta começa dizendo: “Onde há amor .. não há temor; onde há paciência e humildade, não há ira e perturbação, etc.”

A semelhança com os Ditos do Beato Egídio é maior:

“Bem-aventurado aquele que ama sem desejar ser amado.
Bem-aventurado aquele que venera sem querer ser venerado.
Bem-aventurado aquele que serve sem querer ser servido.
Bem-aventurado aquele que trata bem os outros sem desejar ser bem tratado” (10)

Conclusão
Ao concluir queremos ressaltar duas constatações. A primeira é que a “Oração pela Paz” não é de São Francisco de Assis e, portanto, não convém que continuemos a designá-la como “Oração de São Francisco”, pelo simples fato de que ela não é. A segunda é que essa oração está impregnada de espírito franciscano, tendo tudo a ver com nossa espiritualidade e carisma. Convém, pois, que a tenhamos em alto apreço, a rezemos e divulguemos, em razão de tudo o que ela é: uma oração simples e inspirada, com sabor ecumênico e de grande beleza, que nasce do coração e fala ao coração, em perfeita consonância com o Evangelho – o qual, por sua vez, “é a nossa regra”. Aliás, é próprio do espírito franciscano alegrar-se reconhecendo e admirando o bem, onde quer que ele se encontre: nos irmãos, nos escritos de um pagão, ou nos costumes dos sarracenos. Aqui nos alegramos com uma oração bonita, nascida fora de nossa família, mas não fora do sopro do Espírito.
___________________________________________________________________________________________
1. K. ESSER. Gli Scritti di S. Francesco d’Assisi: nuova edizione critica. Edizioni Messaggero, Padova, 1982, 72.
2. D.VORREUX apresenta uma nota crítica em: François d’Assise. Écrits (“Sources Chrétiennes”, n° 285). Introdução e notas de Th. DESBONNETS, J. F. GODET, Th. MATURA e D. VORREUX. Paris: Les Éditions du Ccrf, 1981, 403-404.
3. L. BOFF. A Oração de São Francisco: uma mensagem de paz para o mundo atual. Rio de Janeiro: Sextante, 1999, 16. Seguiremos de perto este livro.
4. L. IRIARTE. Vocação Franciscana. Petrópolis: Vozes, 1976, 187-188, nota 31.
5. L. BOFF, Op. cit. 17.
6. D. VORREUX . Op. cit. 403.
7. L. BOFF. 19.
8. L. BOFF, 12-13.
9. D. VORREUX . Op. cit 403.
10. Ditos do Beato Egídio, 1, em: Fontes Franciscanas e Clarianas. Petrópolis: Vozes, 2004, 1635. Cr. L. Boff, op.cit. 20-21. 

Texto publicado na “Revista Franciscana”, FFB, Volume 5, 2005