Frase de D. Cláudio inspirou o Papa a usar o nome Francisco

Vaticano – No esperado encontro com a imprensa internacional, que reuniu mais de 5.000 jornalistas na manhã deste sábado (16), na sala Paulo VI, no Vaticano, o Papa Francisco disse que escolheu seu nome após falar com o cardeal brasileiro Dom Claudio Hummes – arcebispo emérito de São Paulo -, que participou do conclave que o elegeu o novo Papa.

O Papa Francisco foi ovacionado pelos jornalistas na sua chegada. Sentou-se em sua cadeira no centro do palco e ouviu a saudação do presidente do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais, o Arcebispo Claudio Maria Celli.

Em seguida, leu um breve discurso, agradecendo todos pelo precioso serviço realizado nos dias passados, na cobertura do Conclave e em sua eleição. E explicou o porquê da escolha do nome:

“Na eleição, eu tinha ao meu lado o arcebispo emérito de São Paulo, um grande amigo. Quando a coisa começou a ficar um pouco ‘perigosa’, ele começou a me tranquilizar. E quando os votos chegaram a 2/3, aconteceu o aplauso esperado pois, afinal, havia sido eleito Papa. Ele me abraçou, me beijou e disse: ‘não se esqueça dos pobres’. Aquilo entrou na minha cabeça. Imediatamente me lembrei de São Francisco de Assis”, revelou o Papa.

Segundo o novo Pontífice, seu desejo seria “uma igreja pobre, para os pobres”. “O nome apareceu no meu coração. Para mim, o homem da pobreza, o homem da paz, o homem que ama e protege a criatura.”

No encontro, ele ainda brincou com a escolha do novo nome, ao falar de “sugestões” recebidas. “Algumas pessoas fizeram brincadeiras, falando que deveria ser Adriano porque Adriano VI foi um homem das reformas, ou Clemente, Clemente XV, para ‘se vingar’ de Clemente XIV, que suprimiu a Companhia de Jesus. São brincadeiras, é claro.”

O novo Papa disse que a imprensa e a Igreja têm “pontos de proximidade por trabalharem com a comunicação” e que o “lugar da mídia cresceu muito, a ponto de se tornar indispensável para mostrar ao mundo os rumos da história”. Enquanto falava do trabalho dos jornalistas nos últimos dias, o Papa, com um sorriso no rosto, falou: “e vocês trabalharam bastante, não?”

Francisco também disse que a Igreja “não tem característica política, mas essencialmente espiritual”, e que “Cristo está presente e dirige sua Igreja. Em tudo o que aconteceu, o protagonista é, em última instância, o Espírto Santo. Ele inspirou a decisão de Bento XVI pelo bem da Igreja. Ele influenciou na decisão dos cardeais.”

Depois de saudar pessoalmente alguns jornalistas, o Papa Francisco concluiu, em espanhol: “Disse que lhes daria a minha benção de coração. Muitos de vocês não pertencem à Igreja Católica, outros não crêem. Concedo minha benção, de coração, no silêncio, a cada um de vocês, respeitando a consciência de todos, mas sabendo que cada um de vocês é filho de Deus. Que Deus os abençoe”.

Ele recebeu os cumprimentos de sacerdotes, que entregaram lembranças ao sumo pontífice, e de jornalistas. Um deles recebeu um carinho especial. Um deficiente visual foi abençoado junto com seu cão-guia na sala Paulo VI.

 

Encontro com Cristina

Segundo a agência de notícias EFE, Francisco receberá na próxima segunda-feira, às 12h50 (horário local, 8h50 de Brasília), a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, informou a assessoria de imprensa do Vaticano. Essa será a primeira audiência de Francisco com um chefe de governo e acontecerá na Casa de Santa Marta, onde o pontífice está hospedado enquanto não toma posse de seus quartos no Palácio Apostólico.
A presidente argentina viajará para Roma para assistir à missa inaugural do religioso, prevista para a próxima terça-feira, e na qual deverão estar presentes cerca de 150 chefes de Estado e de governo.

O papa também almoçará no próximo sábado com o pontífice emérito Bento XVI na residência apostólica de Castel Gandolfo, ainda segundo a assessoria de imprensa do Vaticano.O porta-voz Federico Lombardi já antecipara a intenção do papa de visitar o seu antecessor, que ficará em Castel Gandolfo até o fim das obras de reestruturação do mosteiro no interior dos muros do Vaticano onde viverá após sua renúncia.