Frades do Monte Alverne servem na Missa do Papa Francisco

Nesta terça-feira, às 9h30 (horário local) e 5h30 (horário de Brasília), o Papa Francisco inicia oficialmente o seu Pontificado durante celebração eucarística que vai reunir cerca de um milhão de pessoas na praça São Pedro, como acreditam as autoridades romanas. Durante a celebração, o povo poderá ver 14 frades franciscanos servindo na Missa do seu Pontificado.

O convite partiu do próprio Papa, que ligou diretamente para os frades do Monte Alverne, onde São Francisco de Assis recebeu os estigmas: “Quero que vocês sirvam na Missa de início do Pontificado”, pediu.

A notícia foi acolhida com entusiasmo e concentrou a atenção sobre os lugares santos franciscanos, Monte Alverne em destaque.

Mas o convite vai muito além do nome escolhido por ele. O papa quer que sejam os frades do Monte Santo a estarem do seu lado no rito que abrira oficialmente o seu Pontificado. Um rito, recordamos, no qual já estão confirmados 80 chefes de Estado.

A ligação foi feita do Vaticano na quinta-feira pela manhã e a aceitação do guardião local foi imediata. “Iremos em 14, aqui ficarão apenas os mais idosos e aqueles que têm dificuldade de locomoção”. No dia do anuncio da eleição do novo papa e da escolha do nome, o convento explodiu em alegria, diz o guardião. “A fumaça branca veio enquanto rezávamos as Vésperas; deixamos dois frades de prontidão diante da TV e foram eles que tocaram os sinos.”

“E agora o aguardaremos aqui no Santuário; esperamos há tempos por esta visita”. O guardião do monte Alverne, Frei Massimo Grassi, expressa o grande sonho deste lugar santo, que agora se torna protagonista de um dos maiores eventos da igreja católica. Naquele dia, o telefone tocou sem parar: jornais e TVs de todo o mundo queriam falar o superior e ouvir sua opinião.

“Estamos muito felizes, este nome é um programa, uma escolha de vida”, responde. Antes de se colocar diante do órgão, para tocar a missa celebrada pelo Arcebispo de Arezzo, Ricardo Fontana, na capela dos Estigmas, Frei Massimo completa: “É a primeira Missa de agradecimento pelo novo Pontífice e não poderia ser melhor do que aqui”, exclama: “Este é o lugar da máxima alegria e da máxima dor”, conclui.

TUDO PRONTO PARA A MISSA

A organização da Prefeitura de Roma prevê mudanças no transporte e na segurança. O metrô será gratuito das 5h30 às 14h. Várias linhas de ônibus tiveram seus trajetos modificados ou suspensos; haverá transporte especial para chegar à Praça São Pedro dos principais pontos da capital e as viagens de trens para Roma foram potencializadas.

Um posto de saúde de emergência foi montado na entrada da Praça e ambulâncias estão estacionadas em pontos estratégicos. Há a proibição de estacionamento no perímetro que circunda o Vaticano. E a partir da meia-noite de terça-feira, toda a área estará fechada para a circulação de carros.

Três telões estão sendo montados na “via da Conciliazione” para os fiéis e turistas que não conseguirem lugar na Praça.

A segurança também foi reforçada. Já estão em Roma os presidentes da Argentina, Cristina Kirchner (com quem o Papa Francisco se encontrou esta segunda), do Brasil, Dilma Rousseff, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden; vários presidentes latino-americanos, como o de Honduras, Porfirio Lobo Sosa, e do Paraguai, Federico Franco.

Da Europa, já confirmaram presença a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, o primeiro-ministro francês,  JeanMarc Ayrault, o premiê espanhol Mariano Rajoy, com os príncipes Felipe e Letícia. Da África, virão o de Camarões, Moises Hallesleve, do Zimbábue, Robert Mugabe, entre outros. O total é de mais de 80 líderes estrangeiros.

Da Argentina, a busca de voos para Roma aumentou 67%, segundo uma agência de viagens.