Vida CristãSantos franciscanos › 16/02/2018

Bem-aventurada Filipa Mareri

Virgem da Segunda Ordem (1190-1236). Concedeu ofício e missa em seu louvor Pio VII no dia 29 de abril de 1806.

Nasceu em Riéti, em 1190, de família nobre. Desde os primeiros anos se mostrou piedosa, contemplativa e inteligente. Teve a sorte de estar em contato  bastante com o próprio São Francisco, que, nas suas andanças pelo vale de Riéti, se hospedava na casa da família Mareri. O que mais a impressionava nele era a oração assídua e o desprendimento de todas as coisas terrenas. Decidiu segui-lo. Quando o pai lhe propôs um casamento em concordância com a sua nobreza, respondeu que só queria por esposo Jesus Cristo. Essa recusa desencadeou uma terrível perseguição, sobretudo por parte de seu irmão Tomás. Mas ela não mudou de ideia. Por fim, retirou-se com algumas companheiras para um eremitério junto a um monte próximo e encetou uma vida de solidão.

Comovido com a firmeza da irmã, Tomás ofereceu-lhe a igreja de São Pedro, no antigo mosteiro que ele mesmo mandara reparar. Filipa aceitou a oferta e começou uma vida claustral com as companheiras, adotando a regra das Senhoras Pobres de Assis. Durante algum tempo o próprio São Francisco dirigiu essa pequena comunidade, que depois entregou ao seu discípulo Frei Rogério de Tódi. Não tardou que muitas outras jovens se decidissem a consagrar-se a Deus sob a direção da Bem-aventurada Filipa Mareri, que se tornou para as irmãs mais que uma Abadessa, uma mãe extremosa, empenhada em animá-las à perfeição e consolá-las nos sofrimentos.

Seguindo o exemplo de São Francisco e do Beato Rizério, dedicou muita atenção à pobreza, sempre confiante na divina providência. Prostrada diante de um grande crucifixo, chorava ao pensar nas muitas ofensas feitas ao Senhor, fazia penitência e implorava a misericórdia Divina.

Aconteceu que uma sua sobrinha, que ingressara no mosteiro, estava na iminência de ser raptada à força pela família. Filipa, intervindo com sua oração, fez com que os parentes não conseguissem movê-la nem retirá-la da clausura.

Predisse o momento da morte com muita antecipação. Reunindo as irmãs em volta do leito de morte, exortou-as à oração, à concórdia e ao amor à pobreza seráfica. Ao vê-las tristes e chorosas, exortou-as à alegria: “Não choreis por mim, queridas filhas. Que a vossa tristeza se transforme em alegria! Desde o céu ainda vos poderei ajudar mais. Quero morrer para viver em Cristo, para receber a herança na terra dos vivos. Consolai-vos no Senhor. Perseverai no serviço de Deus. Recordai todas as coisas que eu fiz. E a paz do Senhor, que supera tudo quanto se possa imaginar, guarde o vosso coração e o vosso corpo”. Terminadas estas exortações, encomendou-se humildemente a Jesus Cristo, fortalecida com a Eucaristia e os Sacramentos, na presença do Bem-aventurado Rogério e de outros frades menores, entre as lágrimas das irmãs, a 16 de fevereiro de 1236, ela passou com alegria para a casa do Senhor. Contava 46 anos.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.