Vida CristãSantos franciscanos › 03/08/2017

Bem-aventurado João Santiago Fernández

01Religioso e mártir da Primeira Ordem (1808-1860). Beatificado por Pio XI no dia 10 de outubro de 1926

João Santiago Fernandez nasceu na Galícia (Espanha), filho de Benito e Maria Fernandez, em 25 de julho de 1808, o dia dedicado a São Tiago, padroeiro da Espanha. Passou sua infância e juventude no temor de Deus, dedicado ao estudo e, em seguida, ao trabalho manual. Ele tinha 22 anos quando, depois de ter conhecido o mundo, tomou o hábito dos Frades Menores. Depois do noviciado, fez a profissão religiosa de lutar pela perfeição seráfica. Eram anos difíceis para as ordens religiosas; muitos conventos foram fechados e os religiosos devolvidos ao mundo. João Santiago manteve sua vocação franciscana íntegra, mas convencido de que não é o hábito que faz o monge.

Em 1859, ele solicitou e obteve permissão para ir como missionário à Palestina. Depois de apenas 16 meses sacrificaram suas vidas para o Senhor no convento de Damasco. Em 1860, a Síria sofreu um massacre terrível nas mãos dos drusos, que viviam no Líbano, e que destruíram aldeias e campos e vinhas e mataram todos os cristãos, que eram cerca de seis mil, sem mesmo poupar as crianças. Em Damasco, junto com os muçulmanos, os drusos encheram de sangue e fogo as igrejas e casas dos católicos.

Entre os muitos mártires, sete foram franciscanos do convento de Damasco, que morreram heroicamente com seu guardião Manoel Ruiz Santíssima, tendo confiado a Maria e alimentados com o pão dos fortes, na noite entre 9 e 10 de julho de 1860.

João Santiago, juntamente com o confrade Francisco Pinazzo, tinha procurado refúgio no campanário, mas foram descobertos pelos drusos, que escalaram a torre do sino. Sob as ordens para abandonar a fé e tornarem-se muçulmanos, eles disseram: “Temos uma só alma e nunca a perderemos negando nossa fé. Somos cristãos e religiosos franciscanos e, como tais, queremos viver e morrer”. A tão heroica resposta agrediu com golpes de martelo, quebrando sua espinha dorsal e, em seguida, atirou-o para o quintal. Ele sobreviveu até a manhã em meio a um sofrimento incalculável. Quando passou por ele um turco e percebeu que o frade ainda estava vivo, agonizante com os membros quebrados e banhados em seu sangue, ele o matou com sua cimitarra.

Então, João Santiago Fernandez, a última vítima, alcançou o céu junto a seus irmãos que já estavam na glória de Deus. Toda a Fraternidade de Damasco havia sido imolada pela fé. A Custódia Franciscana da Terra Santa escrevia com caracteres de ouro uma nova página de sangue e de triunfos.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.