Vida CristãSantos franciscanos › 22/08/2017

Bem-aventurado Timóteo de Monticchio

Bem-aventurado Timóteo de MonticchioSacerdote da Primeira Ordem (1444-1504). Aprovou seu culto Pio IX no dia 10 de março de 1870.

Timóteo nasceu em Monticchio a poucos quilômetros de Aquila, precisamente no mesmo ano em que São Bernardino de Siena voou para o céu em Aquila. No céu de santidade seráfica foi extinta uma estrela em torno da qual surgiram muitas estrelas, incluindo também nosso bem-aventurado.

De família de camponeses, viveu inteiramente entregue à oração. Temendo os perigos do mundo se propôs a evitá-los e, junto com seu irmão, entrou para a Ordem dos Frades Menores, que naqueles dias tinha alcançado o ápice da celebridade pela santidade de muitos dos seus filhos. Ordenado sacerdote, foi enviado para Campli, província de Teramo, como mestre de noviços. Sua vida foi mais celestial do que terrena, animada com visões freqüentes da Virgem Maria e São Francisco e favorecida com o dom dos milagres. Fielmente refletem o espírito daqueles santos religiosos que renovaram a observância da Regra da Ordem Seráfica, São Bernardino de Siena, São Tiago das Marcas, São João de Capistrano, bem-aventurado Bernardino de Fossa, bem-aventurado Marcos Fantuzzi de Bolonha e muitos outros.

De Campli foi convento de Santo Angelo de Ocre, na cidade de Fossa, onde permaneceu muitos anos até sua morte. Sua vida inteira foi tecida de oração e contemplação, por exemplo sacerdotal e fidelidade heroica à Regra franciscana.

As virtudes que brilharam nele foram especialmente o desapego do mundo, a exata observância da Regra professada, o fervor no serviço divino, a meditação sobre a Paixão de Cristo e uma devoção filial à Virgem e ao Pai Seráfico. Seu amor pela solidão era tanto que suas conversas eram sempre curtas, mas sempre cheias de calor e bondade.

Tal era a sua humildade, que se dizia ser sempre o menor de todos; sua obediência era tão perfeita, que ele obedecia ao último dos seus confrades; para preservar intata a sua pureza, mortificava seus corpo com cilícios. Era caridoso com todos, paciente com os moribundos, era assíduo nas confissões e direção espiritual. Com a pregação anunciou nas cidades e aldeias vizinhas a mensagem do Evangelho.

Em 22 de agosto de 1504, come 60 anos de idade, no solitário convento de Santo Angelo de Ocre dormia serenamente no Senhor.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.