Vida CristãSantos franciscanos › 19/12/2017

Bem-aventurada Maria Catarina Troiani de Santa Rosa

Bem-aventurada Maria Catarina Troiani de Santa RosaVirgem da Terceira Ordem Regular (1813-1887). Fundadora das Irmãs Franciscanas Missionárias do Coração Imaculado de Maria. Beatificada por João Paulo II a 14 de abril de 1985.

Quando a pequena Constança Troiani, que tinha ficado órfã de mãe aos seis anos e meio, traspassou os umbrais do conservatório de Santa Clara de Ferentino (Frosinone) e foi confiada às enclausuradas que o dirigiam, para ser aí educada, ninguém tinha podido imaginar que aquela era a criatura destinada por Deus a fundar o primeiro instituto missionário italiano.

A criança era originária de Giuliano de Roma, onde nasceu e foi batizada a 19 de janeiro de 1813. Seu pai foi Tomás Troiani, conselheiro comunal bem situado e organista na paróquia; a mãe foi Teresa Panici-Cantoni. A morte da senhora Teresa ocorrida em 1819, deu origem à dispersão da família Troiani. Constança foi confiada ao mosteiro de Santa Clara.

Com o coração traspassado pela dor, soube, contudo superar tão grande ferida e orientar-se até aquele que de imediato converteu-se para ela no amabilíssimo Deus, que a enchia de seu amor. Aos 16 anos decidiu ingressar como irmã no mosteiro. Tomou o hábito a 08 de dezembro de 1829 e recebeu o nome de Irmã Maria Catarina de Santa Rosa de Viterbo; um ano depois emitiu os votos religiosos. A jovem irmã que já tinha iniciado sua vida ascética para a perfeição religiosa e em amoroso serviço, teve aos 22 anos um claro chamado à vida missionária, mas já tinha 46 anos quando pôde finalmente realizá-la.

Aceitando o convite do Vigário Apostólico do Egito o franciscano Perpétuo Guasco, um grupinho de seis irmãs de Ferentino, das quais Irmã Maria Catarina era a alma, a 14 de setembro de 1859 partiu para o Cairo, onde teve começo a nova obra de Deus na terra dos faraós. Clot-Bey foi o novo centro, que como pequeno farol irradiou luz de testemunho evangélico sobre o pobre bairro árabe, atraindo vocações inesperadas de todas as partes. Com novas pessoas a madre Maria Catarina pôde abrir no Cairo outras duas casas e fundar outras mais em diversas localidades. A 15 de julho de 1868, por decreto pontifício foi erigido o novo instituto e família religiosa da Terceira Ordem Regular de São Francisco: a Madre Troiani passou assim de Clarissa a terceira e sempre se sentiu filha fiel e autêntica de São Francisco e Santa Clara.

Erigida a Congregação, o zelo de Maria Catarina ultrapassou os limites do Cairo. Abriu-se sete casas no Egito, Palestina, Malta e na Itália, onde abriu uma casa em Roma e em outras cidades.

Sua piedade moldada em ambiente de semiclausura, com devoções particulares ao Sagrado Coração, às festas marianas, a São José, aos Anjos de Guarda e a São Francisco Estigmatizado, adquiriu aspectos precursores. A comunhão diária e sua espiritualidade se abriram aos mais amplos horizontes da caridade evangélica, exercida com felizes reflexos sociais. Repousou no Senhor aos 74 anos de idade, no dia 06 de maio de 1887 na casa de Clot-Bey, teatro de sua caridade ilimitada e de seu prolongado trabalho. Choraram sua morte os cristãos e também os muçulmanos.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.