Vida CristãSantos franciscanos › 26/05/2017

Bem-aventurados Estêvão de Narbona e Raimundo de Carbona

Sacerdotes e mártires da Primeira Ordem (+1242). Aprovou seu culto o Papa Pio IX no dia 6 de setembro de 1866.

No início do século XIII, a situação da Igreja no Sul da França, especialmente na região de Toulouse, estava mais precária do que nunca devido à difusão da heresia dos albigenses. Em 22 de abril de 1234, Gregório IX nomeou William Arnaud, um dominicano de Montpellier, primeiro inquisidor na diocese de Toulouse e Albi, que, imediatamente começou a trabalhar diligentemente, encontrando sérias dificuldades. Raymond VII, conde de Toulouse, proibiu seus súditos de ter qualquer contato com o irmão William e seus companheiros inquisidores, colocando guardas nas portas dos conventos para que não recebessem nenhum alimento. Em 15 de novembro de 1235 foram expulsos da cidade todos os frades dominicanos, que saíram em procissão, cantando hinos sagrados. No ano seguinte, puderam retornar ao seu claustro, mas o ódio dos hereges contra os inquisidores cresceu e causou tumultos.

Raimundo de Alfar, de Avignonet, uma pequena cidade a poucos quilômetros de Toulouse, decidiu acabar com isso. Fingindo amizade e reconciliação, convidou Frei William e dez companheiros para o seu castelo e depois os levou a uma sala, fazendo-os prisioneiros. No dia 29 de maio de 1242, véspera da Ascensão do Senhor, tarde da noite, centenas de albigenses com espadas, machados e facas invadiram a cidade e seguiram direto para o castelo. O traidor Alfar Raymond abriu as portas para eles, que logo chegaram à sala onde estavam os religiosos. Quando chegaram, os religiosos compreenderam que havia chegado o momento do martírio.

Nenhum fugiu, mas todos, de joelhos, cantaram o “Te Deum”. Após a oração, os albigenses, como hienas ferozes, atiraram-se sobre as vítimas inocentes, que caíram como cordeiros mansos. Em seus lábios, só tinham palavras de oração e perdão: “Senhor, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” Deus glorificou o heroísmo de seus mártires. No lugar do martírio  e em seus túmulos aconteceram milagres. A crueldade foi implacável, principalmente contra Frei William, que teve a língua cortada.

Entre os 11 mártires havia também dois irmãos franciscanos: Santo Estêvão de Narbona e Raimundo Carbonario de Carbona.

Estêvão nasceu em Saint Thibery, na diocese de Maguelonne, na França. Sendo ainda jovem, tornou-se um monge beneditino, para seguir a regra de São Bento “Ora et labora” (oração e trabalho). Também foi abade de um mosteiro perto de Toulouse. A mensagem deixada em seu tempo por São Francisco, a vida pobre, humilde e simples dos Frades Menores, o zelo evangélico e apostólico dos primeiros santos e mártires o impressionaram profundamente que ele pediu a seus superiores para fazer parte do nova Ordem. Como San Antônio, no mesmo século, deixou a Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho para se tornar um franciscano,  ele deixou a Ordem dos Monges Beneditinos para ser Irmão Menor. Homem culto e santo, trabalhou duro para defender a fé contra os erros dos albigenses. Com dez companheiros, incluindo o seu confrade Raimundo de Carbona, corajosamente deram suas vidas por amor a Cristo com o martírio de decapitação. Os Bem-aventurados Estêvão e Raimundo foram enterrados em Toulouse, na igreja dos Frades Menores.

Fonte: “Santos franciscanos para cada dia”, de Frei Giuliano Ferrini e Frei José Guillermo Ramírez, OFM, edição Porziuncola.